Após a puberdade, as mamas são rígidas devido à quantidade de glândula. Com o passar do tempo há uma diminuição da quantidade de glândula, aumento da gordura e tendência à ptose (queda da mama). A gravidez é um importante fator na aceleração da ptose mamária. A mamoplastia tem como objetivo reverter este quadro, suspendendo a mama e retirando o excesso de pele e tecido mamário existentes. É indicada para a redução de mamas volumosas e para suspensão de mamas ptosadas (caídas). Pode também ser indicada para correção de assimetrias entre as mamas.

Tipo de anestesia

Geralmente é geral ou peridural. Raramente é usada a anestesia local com sedação. Será decidida em conjunto com a paciente e o médico anestesista.

Tempo de internação
 

Não é necessário permanecer internada. Tem alta após a recuperação da anestesia, no mesmo dia da cirurgia.

Pós operatório

A paciente deverá ficar afastada de esforços por 30 dias, evitando nos primeiros 14 dias de elevar os braços. Deve-se usar um sutiã cirúrgico. O tempo de recuperação e uso do sutiã varia conforme o tipo de cirurgia que for feita. A prática de esportes poderá ser retomada após dois meses. Não é comum haver dor importante, apenas um leve desconforto, controlável com analgésicos e anti-inflamatórios que Dr. Marcio prescreve. No caso de gravidez após a cirurgia, a amamentação costuma ser normal.

Resultado definitivo
 

Nos primeiros meses a cicatriz encontra-se avermelhada, tornando-se igual a cor da pele com o tempo, dependendo da genética da paciente.

Por volta do terceiro mês ocorre a báscula da mama (acomodação), a qual produz o contorno arredondado da região inferior da mama, que logo após a cirurgia fica retificada. 
O resultado final da mamoplastia é alcançado entre 6 meses e 1 ano.

Complicações
 

Embora raras as complicações da mamoplastia, podem ser citadas: hematoma, infecção, deiscência (abertura de pontos), quelóides (conforme predisposição individual do paciente), sofrimento de pele e problemas anestésicos.