JURAMENTO DE HIPÓCRATES

Juro considerar os meus mestres igualmente a meus pais. Ensinar esta arte, generosamente, aos meus e aos seus filhos, considerando-os iguais a meus irmãos; bem como àqueles que se comprometerem a praticá-la, sujeitos a este juramento, e a nenhum outro em contrário. Aplicar o tratamento em benefício dos doentes de acordo com a minha capacidade e consciência, evitando-lhes qualquer malefício; mesmo sob injunção de quem quer que seja. Praticar jamais métodos que provoquem abortamento. Conservar a dignidade de minha vida e de minha arte. Entrar na intimidade dos doentes tão-só em seu benefício, sem corromper os costumes nem lhe causar ofensa ou dano. Guardar segredo do que quer que eu veja, ouça ou venha a conhecer no exercício da Medicina ou fora dele que não deva ser divulgado, considerando a discrição como um dever. Manter este compromisso até o limite das minhas forças. Se eu cumprir este juramento, e de forma alguma o violar, seja-me permitido desfrutar de minha vida e de minha arte, gozando, perenemente, fama e honra entre os homens. Se eu o transgredir ou perjurar, seja o contrário o meu destino.

Hipócrates de Cós 460 a.C. – 370 a.C.